Terça-feira, 13 de Março de 2007

1ª Proposta às 7 Maravilhas de Carção

 

Igreja Matriz de Carção

      

       Vamos começar a apresentar uma das propostas para a eleição das 7 maravilhas de Carção .

       Nos próximos três meses (até 7 - 7 - 7) iremos percorrer e dar a conhecer um pouco da história de cada uma das obras. Sempre que saiba informações que possamos acrescentar à nossa pesquisa, agradecemos, sendo esse um dos objectivos - angariar o máximo de factos históricos sobre cada uma das propostas.

       Iniciamos o nosso percurso pela Igreja Matriz. Como acontece em grande parte do país, este é um dos edificios mais importantes, onde o homem desfruta de variadíssimos sentimentos.

       Se as pedras deste imponente edifício falassem, com toda a certeza iriam contar-nos uma imensidão de histórias que se passaram no decorrer dos séculos. Alguns desses momentos são tristes e aterradores, que marcaram uma época de grande obscuridade. Quando os judeus eram condenados à fogueira, os seus nomes e esboços eram exibidos na capela-mor como forma de intimidação para os restantes cristãos-novos "...não foi por isso que foram processados, mas sim por tirar da igreja de Carção «alguns retratos de pessoas que foram relaxadas à justiça secular e nela estavam postos por ordem do Santo Ofício»" - ver Almocreve n-º 1 pp. 31-37. Foi também um espaço de divisões sociais. Em tempos, o espaço interior da igreja estava dividido ao meio por uma grande grade: os cristãos-novos eram reencaminhados para um lado e os cristãos-velhos para outro, não havendo misturas étnicas. Por vezes o edificio servia também de segurança e refúgio à população. A minha avó contou-me que a dada altura, numa bonita noite estrelada, de repente tudo se modificou e as estrelas começaram a cair do céu. Sem grande demora, os sinos começaram a dar o alerta e toda a população se refugiou dentro do edificio , pensando que chegara o dia do Juízo Final. A torre, quando algo anómalo surgia, dava sempre o primeiro alerta ou orientação aos populares. Para cada uma das situações, os sons produzidos eram alterados: incêndios, catástrofes, baptismos, casamentos, mortes, festas religiosas... 

       Este velhinho edifício, orago de Santa Cruz, fora já referenciada em 1296, nas Inquirições de El-Rei D. Afonso III no julgado de Algoso , onde se diz que tanto Carção como a igreja pertenciam ao Rei D. Afonso Henriques e que o pároco era eleito pelo povo, mas o Rei D. Sancho I doou-a a D. Facundo, fidalgo de Leão e este deu depois parte do seu senhorio à Ordem do Hospital.

       Através deste documento, podemos concluir que a primitiva igreja de Carção era um templo medieval de características românicas e que, segundo alguns autores, desaparecera talvez devido ao mau estado que se encontrava por algum incêndio que tenha deflagrado.

       Na travinca da fechadura da porta da sacristia estava gravada esta legenda: «1753. Rego me fez».

       Segundo P. Miranda Lopes “nos primeiros séculos da nossa monarquia, Carção pertencia à Terra de Miranda; deveria ser o seu senhorio e o Vigário de Miranda delegado do Arcebispo de Braga, quem nomeava os capelões da sua igreja, segundo direito de padroado, que cada um tinha”.

       O padroado da igreja de Carção passou para a Sé de Miranda em 1546, um ano depois da fundação da Diocese de Miranda do Douro, onde então principiou a apresentar nela os seus curas.

       Segundo ainda P. Miranda Lopes: “o cura de Carção recebia seis mil réis em dinheiro, dois alqueires de trigo, dois almudes de vinho e o rendimento do pé de altar.

       O mesmo estipêndio era atribuído aos curas das outras igrejas do Cabido. O muito mais que o povo dava, era para as prebendas dos felizes cónegos da Sé”.

Só a partir de 1692 é que se encontram algumas contas registadas no livro de contas das prebendas das igrejas da Mesa Capitular, respeitantes à capela-mor de Carção .

       No ano de 1742, telhou-se a capela-mor e arranjaram-se os degraus do supedâeo da capela-mor.

            No ano de 1749 consertou-se a sacristia, o telhado da capela-mor e a despesa foi feita à custa do cabido.

       Fez-se um pequeno conserto no telhado da capela-mor no ano de 1754, mas a obra de maior vulto e mais cara foi construída entre 1758 e 1765.

       António Mourinho refere que acredita que fosse mais pelos anos de 1763/64. Foi a obra da capela-mor que se fez nova de raiz. Gastou o cabido com esta obra a quantia de 135.000 réis e despendeu mais 1.0000 réis com o concerto do arco cruzeiro.  

       Também na mesma altura, fez-se o madeiramento da capela-mor e sacristia e gastou a quantia de 76.000 réis.

       António Mourinho refere ainda: “No ano de 1768/69 já a capela-mor estava concluída e manda fazer-se a vidraça com ferros e rede para a fresta o que custou 3.400 réis.

       Em 1817 os moradores de Carção fazem uma exposição ao rei D. João VI mostrando-lhe o estado de ruína em que se encontrava a igreja. Talvez fosse a parte da nave e o campanário”.

       A igreja foi realmente reconstruída sem grande demora, seguindo a técnica arquitectónica da capela-mor, mas não há dúvidas que o campanário e alguns elementos que apresenta são já do século XIX, como é por exemplo o janelão da torre da fachada.

       Segundo António Mourinho “Foi sem dúvida o cabido que apresentou a planta para a capela-mor e foi o mesmo que contratou os artistas para a construir. Como vimos, a obra foi paga pelo mesmo cabido e era ela que cuidava de todas as obras necessárias à construção e reparo da capela-mor e sacristia.

       Apareceu-nos um documento que atrás citámos e que data de 1817, onde podemos ver que já não era o cabido que dispunha, mas a mesa de Consciência e Ordens. Devia ter sido debaixo da orientação do arquitecto real que a obra do corpo e campanário da igreja de Carção se construíram, pena é que não saibamos os artistas que trabalharam nesta obra e todos os custos. A obra deveria ter sido acabada antes de 1820.

       A igreja de Santa Cruz é de planta rectangular, muito simples, como a capela-mor e sacristia do lado do Evangelho.

       Se tiver conhecimento de outras informações acerta deste tema, não exite em enviar-nos. 

       Para ler mais sobre o assunto, ver: Almocreve, n.º 1, pp.23 à 27.     

publicado por almocreve às 00:32
link do post | comentar | favorito
|
6 comentários:
De Belchior Rodrigues a 13 de Março de 2007 às 17:02
Boa Tarde
Fazer um roteiro histórico sobre cada um dos edificios é uma excelente ideia. Estou maravilhado com tudo o que foi escrito sobre a Igreja Matriz. Muito dos factos escritos ainda não eram do meu conhecimento.
Parabéns à Almocreve, pois está sempre a surpreender.
De Anónimo a 14 de Março de 2007 às 12:42
a ideia do roteiro histórico por todos os monumentos é excelente.
De Ricardo Andre a 14 de Março de 2007 às 20:51
Sem duvida alguma uma ideia brilhante, realmente o ALMOCREVE nao para de surprender positivamente todos os apaixonados pela historia e cultura da magnifica e imponente aldeia de Carção.
Sem duvida esta nobre Associação esta-se a tornar cada vez mais uma Instituição marcante da nossa aldeia.
Parabens Almocreve e parabens Carção pela motivação e força que todos aqueles que passam por ti jamais perdem
De ARRUDA a 14 de Março de 2007 às 23:13
Boa noite!
mais uma excelente ideia! o roteiro histórico sobre cada uma das propostas às 7 maravilhas é muito interessante e elucidativa, esclarecendo nao só os populares mas também outros curiosos acerda destas propostas.
De Anónimo a 15 de Março de 2007 às 14:08
o artigo sobre a Igreja Matriz está bastante esclarecedor sobre a sua importância ao longo dos séculos. É sem dúvidas um dos edificios mais emblemáticos e que merece destaque entre as 7 maravilhas de Carção.
De andreia_cathy a 13 de Janeiro de 2008 às 21:51
eu queria meter uma tradição " o peru" eu queria saber quando sai o almocreve 2008

Comentar post

Participa na Almocreve 2009

 

Contactos:

paulolopes78@hotmail.com

carcao@hotmail.com

.

.

.

.

.

Envie-nos fotos, artigos e outros...

paulolopes78@hotmail.com

hit counter

.pesquisar

 

.favoritos

. Algumas orações dos marra...

.links

.as minhas fotos

.arquivos

blogs SAPO

.subscrever feeds